Open/Close Menu Centro de Diagnóstico Cardiovascular em Campo Grande/MS
alimentos-processados-ultra-processados

Qual é a diferença? As definições variam, mas o Departamento de Agricultura dos EUA diz que qualquer coisa que mude a natureza fundamental de um produto agrícola – aquecimento, congelamento, corte em cubos, sucos – já é um alimento processado.

“Aquelas pequenas cenouras que você compra em um supermercado – isso é um alimento processado”, disse Penny Kris-Etherton, nutricionista registrada e professora de nutrição do Departamento de Ciências Nutricionais da Universidade Estadual da Pensilvânia. O mesmo acontece com legumes congelados ou até brócolis cortado em florzinhas. Ou seja qualquer modificação do natural é um processamento.Alimentos ultraprocessados, também chamados de alimentos altamente processados, são os piores. Podem ser baratos, convenientes e saborosos. Mas eles costumam ter muitos carboidratos refinados, gorduras saturadas e sal. Dariush Mozaffarian, cardiologista e decano da Escola Friedman de Ciência e Política de Nutrição da Universidade Tufts, em Boston, disse que o problema básico dos alimentos ultraprocessados é que alguns não foram projetados com foco na saúde. Os fabricantes preferem priorizar o sabor, o custo, a segurança, o prazo de validade e a sensação na boca.

Quando esses fatores são o objetivo, milhares de nutrientes são retirados, disse ele. Aditivos como emulsificantes e estabilizadores são descartados. Esses ingredientes industriais são considerados seguros, mas seus efeitos a longo prazo não são conhecidos.

O processamento intenso também pode retirar as fibras, alterando a forma como o corpo digere os alimentos e afeta as bactérias intestinais amigáveis, disse ele.
Modificado de: American Heart Association

© 2020 CDC. Desenvolvido por Advanced TI MKt Digital